Como gerenciar o risco de sua Carteira de Investimentos

Para escrever este post visto meu boné escrito “NERD” com muita satisfação. O assunto aqui é uma pouco mais “técnico”, mas muito importante quando falamos de um planejamento financeiro bem feito.

Não se preocupe! Se você não tem muito conhecimento na área, tentarei ser bem didático. Se você não se interessa por esse tipo de assunto, mas quer ter um planejamento financeiro bem feito e apropriado para você, saiba que utilizamos o que será discutido a seguir no planejamento de todos nossos clientes.

Parte da minha rotina semanal é a leitura de diversos artigos e publicações internacionais sobre diversos temas ligados a planejamento financeiro e investimentos. Isso faz com que eu esteja sempre atento às novidades do setor e possa comparar com o que fazemos para nossos clientes.

Nem tudo que leio é colocado em prática exatamente como proposto originalmente, adaptações à nossa realidade são feitas em boa parte dos casos. Outros nem fazem sentido para nosso dia a dia ou contexto do nosso país. Este é um exercício que fazemos constantemente aqui na Guide Life.

Numa dessas leituras, me deparei com o artigo “Beyond Markowitz: A Comprehensive Wealth Allocation Framework for Individual Investors”. Se quiser lê-lo também, você pode obtê-lo aqui. A proposta do autor, diretor de estratégias para clientes de altíssima renda de uma das maiores gestoras de recursos dos Estados Unidos, é: o investidor deve se expor a diferentes tipos de riscos para seus diversos objetivos. Limitado, sempre, claro, ao risco máximo que aceita correr.

O autor fala sobre três dimensões de riscos: Pessoal; de Mercado; e Aspiracional. Aqui temos um ponto que pode trazer certa confusão, pois alguns destes riscos devem ser evitados ou mitigados, porém, outros são riscos que você DEVE correr para tentar resultados diferentes. Um tanto contra intuitivo, eu sei. Abaixo apresento uma breve descrição de cada uma dessas dimensões:

  • Risco Pessoal é aquele a que todos estamos expostos no qual algo inesperado possa interromper nossa capacidade de geração de renda, por exemplo. Devemos mitigar este risco com coberturas de seguros e reservas de emergência. O foco aqui é se proteger do lado negativo de eventos inesperados. A palavra de ordem é segurança, logo, retornos bem menores são esperados para esta parcela do seu capital. Entenda que aqui devemos basicamente comprar seguros ou investir em proteção financeira para não arriscar a perda do padrão de vida básico que já conquistamos.
  • Risco de Mercado é aquele que devemos correr a fim de atingir nossos objetivos. É aqui que estará sua carteira de investimentos visando a manutenção do padrão de vida em sua aposentadoria ou os ativos destinados a atingir seus objetivos mais curtos. Nesta dimensão você balanceará o risco e retorno de suas aplicações de acordo com o risco máximo que aceita incorrer. Isto significa dizer que, se você é mais conservador, aceita correr menos riscos, logo, no longo prazo, a rentabilidade de seus investimentos tende a ser menor e você precisará poupar mais, mas terá menos emoções no caminho. Se você é mais agressivo, procurará ativos de mais risco e poderá obter uma rentabilidade maior com aportes de capital menores. Há, no entanto, o risco de perdas no meio do caminho. Esteja atento e conheça seu perfil como investidor.
  • O risco Aspiracional é o risco que se deve correr para mudar de patamar de riqueza. São investimentos mais arriscados, normalmente, relativos à construção de um negócio ou opções de compras de ações da empresa que trabalha. No mercado financeiro existem instrumentos que até podem apresentar retornos expressivos, mas já aviso, a chance de grandes perdas é bem maior. No artigo, o autor faz suas simulações utilizando uma delas. Este risco pode ser sintetizado como o risco que corremos quando ambicionamos algo bem maior, a venda de um negócio que construiu do nada, pode servir como analogia.

A proposta do autor lembra muito a nossa proposta de planejamento financeiro baseada nos três potes: Segurança, Objetivos e Aposentadoria. Há diferenças entre elas, mas o racional por trás do que pensamos quando fazemos os planos financeiros de nossos clientes é parecido. Nós também acreditamos que o nosso cliente só deve ser expor ao risco máximo que tolera quando e se for necessário; e não o tempo todo como prega a indústria de investimentos em geral.

Onde nosso modelo se assemelha ao proposto?

  • Pote da Segurança – nosso conceito para o pote da Segurança é exatamente o mesmo do risco pessoal proposto no artigo. Nós acreditamos que um planejamento adequado deve sempre começar por mitigar o risco financeiro do imponderável. Você conseguirá fazer isso por meio da contratação de seguros pessoais e da formação de uma reserva de emergência sólida.
  • Potes dos Objetivos e da Aposentadoria (independência financeira) – nestes potes você correrá o risco de mercado. Aqui você utilizará os diversos investimentos adequados ao seu perfil de risco e aos seus objetivos. Se você é conservador, deverá investir em investimentos mais conservadores, mesmo que em objetivos de longo prazo. Se você é agressivo, mas seu objetivo é de prazo muito curto, deverá investir em ativos mais conservadores. São nestes potes, em especial, no da aposentadoria, que você se sentirá um investidor propriamente dito.

Mas e a dimensão Aspiracional? É aqui que está nossa crítica ao artigo. No artigo, o autor propõe ser possível buscar esta dimensão de risco no mercado financeiro. Neste ponto discordo. Não me entendam mal, até é possível obter retornos astronômicos no mercado financeiro, porém, vejo isso sendo possível somente para alguns poucos que encaram a especulação financeira como sua profissão. Sendo mais claro, se são poucos os profissionais dos investimentos obterão este tipo de resultado, menos ainda serão os indivíduos que atingirão estes retornos.

Em minha opinião, o risco aspiracional fica mais bem dimensionado quando se refere à um negócio que você está abrindo, à capacitação profissional que o fará mudar de patamar em seu emprego ou às horas de estudos dedicadas para se tornar referência em sua área de atuação. Parece fazer muito mais sentido direcionar seu tempo e recursos para desenvolver suas habilidades e aumentar suas chances de obter uma renda maior a se aventurar no mercado financeiro em investimentos milagrosos.

Se você gostou desse post, acesse o conteúdo abaixo:

1 comment on “Como gerenciar o risco de sua Carteira de InvestimentosAdd yours →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *